Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/05/2014

O título mais estúpido do ano (até agora) para um texto que consegue superá-lo (outra vez)

Concedo que a notícia focada pelo Com jornalismo assim, quem precisa de censura?... tem um título e um texto ainda mais estúpido do que aquele que o meu post anterior focou.

O título da RTP «Portugal importou três vezes mais do que exportou» estava de acordo com a “notícia” da Lusa: «Portugal importou, no primeiro trimestre de 2014, três vezes mais bens do que aqueles que vendeu ao exterior, com as importações a aumentarem 6% e as exportações a cresceram apenas 1,7% em termos homólogos» o que mostra não ser um mero lapso no título mas antes mais uma consequência da maldição da tabuada que aflige o nosso jornalismo de causas em geral e, neste caso, oficial (RTP + Lusa).

Na verdade a notícia referia-se a um Destaque do INE publicado nesse dia onde logo nas primeiras linhas se podia ler «as exportações de bens aumentaram 1,7% e as importações de bens 6,0% no 1º trimestre de 2014, face ao período homólogo (+5,2% e +7,5% respetivamente no período de dezembro de 2013 a fevereiro de 2014» e no primeiro quadro da 2.ª página se podia ver o disparate: o valor dos bens importados no período foi 14.333,9 contra 11.734.3 milhões de euros dos exportados, isto é uma proporção 1:1,2.

Sem comentários: