Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/05/2014

CASE STUDY: formação pós-graduada a la bolognesi (8)

[Outras bolognesi (1), (2), (3), (4), (5), (6) e (7)]

Quase desde a fundação que este é um dos temas predilectos do (Im)pertinências. É por isso que aguardo sempre com ansiedade a publicação do prestimoso guia «Pós-graduações e mestrados» do Expresso. Uma vez mais, a minha expectativa não foi defraudada.

Passámos de 1.500 «propostas de formação pós-graduada» em 2005 para mais de 2.500 em 2012. Quem tivesse imaginado que da «austeridade» e dos «sacrifícios» resultaria um desbaste substancial no número de «propostas» pode tirar o cavalinho da chuva. No guia de 2014 ainda sobrevivem mais de 2.000 «propostas», incluindo alguns exoterismos tais como: «Comunicação de tendências»; «Estudos inter-artes no espaço anglófono»; «Adopção e apadrinhamento civil»; «Ecologia da Paisagem»; «Surf»; «Gestão Estratégica de Eventos»; «Direito à Alimentação e Desenvolvimento Rural»; «Cinema de Autor»; «Acupuntura Veterinária»; «Humanistic Coaching»; «Advanced Cooking».

Repetindo-me: não é preciso ser-se um especialista em pós-graduações para se perceber que, num país que se fosse uma cidade não estaria no top ten, a pletora destas propostas e a irrelevância da maioria delas constituem um imenso desperdício de recursos, só possível por via dos subsídios, no caso das universidades públicas, e, no caso das universidades privadas, pela falta de qualidade das «propostas», falta que tem poucas ou nenhumas consequências quando o que se procura são canudos e não competências.

Sem comentários: