Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/05/2014

Dúvidas (40) – E a «austeridade» e os «sacrifícios» não tiveram influência?

«Os casos de crianças e jovens com perturbações mentais não tem parado de aumentar. Só no ano passado, 19.214 foram pela primeira vez a uma consulta de pedopsiquiatria, o que corresponde a um aumento de 30% face a 2011.

A depressão está na origem de pelo menos um quarto dos novos casos. Alterações sociais registadas nas últimas décadas como o crescimento dos divórcios e dos novos modelos de família ajudam a explicar o aumento do problema em Portugal.» (Expresso)

O crescimento dos divórcios? Os novos modelos de família? Estes instrumentos de libertação do jugo da família tradicional (isto é da família) contribuem para a depressão das criancinhas? Esta peça cai muito mal no discurso politicamente correcto. E cai ainda pior na narrativa da «austeridade» e dos «sacrifícios», a menos que se consiga ligar a crise da família ao «neoliberalismo» do casal governo-troika.

É preciso puxar pelos neurónios senhores jornalistas de causas. Vá lá uma ajudinha: então não é verdade que a «austeridade» e os «sacrifícios» que nos são impostos impedem que dotemos as nossas crianças de nintendos, playstations, barbies, action men, smartphones e tudo aquilo que são direitos adquiridos das portuguesas e dos portugueses mais novos a incluir no artigo 36.º da Constituição numa próxima revisão?

Sem comentários: