Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

25/05/2014

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (84) – nepotismo puro e duro (2)

Recapitulando: Maria de Lurdes Rodrigues, ex-ministra da Educação do primeiro governo de José Sócrates contratou de 2005 a 2007 João Pedroso, advogado, dirigente do PS, irmão de Paulo Pedroso ex-ministro do Trabalho de Guterres. Contratou-o duas vezes para fazer o mesmo manual de direito da Educação, nunca acabado, e pagou pela segunda vez uma tença mensal de 20 mil euros mensais, mais de 13 vezes superior à primeira. O resultado foram umas dezenas de pastas com fotocópias cujo custo total ultrapassou 300 mil euros.

O caso está agora em julgamento no decurso do qual a ex-ministra explicou a contratação do irmão de Paulo Pedroso com «não identifiquei nenhum técnico superior para fazer esse trabalho», trabalho realizado pelo mano que consistiu nalguns milhares de fotocópias só possível, como é óbvio, com um «perfil abrangente».

Não há vestígios de indignações pelas bandas do Rato, ou mesmo por quaisquer outras bandas – fenómeno que aqui no (Im)pertinências convencionámos chamar Mutual Assured Distraction (MAD).

Sem comentários: