Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

06/05/2014

Lost in translation (203) - «Tortura psicológica e terrorismo social», disse um notório herdeiro espiritual do Gulag

«O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, acusou hoje o Governo de fazer "tortura psicológica e terrorismo social" contra os funcionários públicos».

Relembrando: Arménio Carlos é de há muitos anos membro do PCP, uma organização que durante décadas foi tributária de um partido comunista e de um regime soviético que manteve durante 30 anos, de 1930 a 1960, um sistema prisional de trabalhos forçados principalmente para a repressão política de dissidentes. A Administração Principal dos Campos e Colónias Correctivas de Trabalho, ou na sigla em russo Gulag, chegou a ter 53 campos e 423 colónias de trabalho por onde passaram 14 milhões de pessoas, das quais 1,6 milhões morreram.

Arménio Carlos é igualmente um notório prosélito dos regimes despóticos da Coreia do Norte e de Cuba.

Não se conhece a Arménio Carlos uma palavra, um estado de alma, um sobressalto cívico, um suspiro, uma distância, de um ideário, de um regime e, em concreto, deste sistema repressivo de trabalhos forçados.

1 comentário:

Anónimo disse...

O arménio não é de cá: é da Arménia.
O carlos não é de cá: é do Walter.
Tanto azar junto!