Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/05/2014

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: Here we go again (2)

O equilíbrio das contas externas, depois de décadas de défices e endividamento crescente ao exterior, foi provavelmente o maior sucesso resultante da intervenção da troika. Foi mas já não é. Veja-se o quadro seguinte, resumo das Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional no Boletim Estatístico do BdeP publicado esta semana.


Como não podia deixar de ser, com todos os sinais do consumo a disparar, os resultados dos dois primeiros meses do ano apontam claramente para a degradação das contas externas por via do aumento do défice nos Bens, insuficientemente compensado pelo aumento do superavit dos Serviços resultante do aumento do turismo. E as coisas podem ser piores do que parecem, porque a comparação com o período homólogo de 2013 esconde a evolução favorável quase até ao fim do ano de 2013. Compromete-se assim a tendência para a redução dos passivos nas Posições de investimento internacional que se tinham reduzido de 507,1 em 2010 para 468,9 mil milhões (Quadro C.3.0 do BE).

Poderia dizer-se que o aumento das importações resultaria dos bens de capital indispensável para o investimento com vista a aumentar a capacidade de produção. Pois poderia, mas receio que se trataria de wishful thinking quando se vêem as Estatísticas de Comércio Internacional de Fevereiro 2014 do INE e se constata nos 3 meses terminados em Fevereiro ter a importação de bens de capital aumentado 233 milhões, enquanto a importação de automóveis e bens de consumo aumentou 512 milhões.

2 comentários:

Dudu disse...

Desconfio que estamos fadados para outra bancarrota; até ao dia em que os amigos pagarem parte da dívida e tomarem um pouco mais conta de nós; ou então correrem connosco a pontapé.

Anónimo disse...

Essa questão de insolvência é bastante delicada, leva tempo para ser resolvida e muita politicagem, é preciso atentar-se e acompanhar o caso de perto, o escritório da Felsberg trabalha com profissionais especializados na área e muito respeitados, vale a pena conhecer quem estiver precisando, o site deles é http://www.felsberg.com.br/areas-de-atuacao/insolvencia

Abraços
Sayuri