Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

28/05/2014

DIÁRIO DE BORDO: João Soares sobre a liderança do PS

Começo por esclarecer que quase tudo me separa de João Soares. Sem prejuízo disso, reconheço-lhe uma coragem pouco abundante entre os nossos políticos, como a que agora demonstra ao não se deixar atrelar à candidatura de António Costa promovida e empurrada pelos ungidos do PS e, sobretudo, pela difícil distância que marca em relação ao seu pai Mário Soares. Terá razões inconfessáveis? Ainda que as tivesse, revelaria coragem.

«”Todos nós sabemos que isto é um processo de chantagem. Às vezes os processos de chantagem pública são bem sucedidos no plano formal e depois são derrotados no plano da realidade dos factos", advertiu o ex-presidente da Câmara de Lisboa.

De acordo com João Soares, a situação gerada após o anúncio da disponibilidade de António Costa para liderar o PS possui algo de "sebastianismo, de megalómano, de egocêntrico e um tanto messiânico".

"Isso preocupa-me no plano pessoal, porque sou amigo do dr. António Costa. Querem que repita o que disse sobre voltar a lançar um processo de um congresso extraordinário um ano depois de se ter lançado um congresso extraordinário justamente com os mesmos pedidos das mesmas pessoas e depois de duas vitórias do PS", referiu João Soares aos jornalistas, reiterando a sua oposição à realização de eleições diretas para a escolha de uma nova liderança.

Confrontado por uma jornalista com a posição assumida pelo ex-Presidente da República Mário Soares, num artigo escrito no Diário de Notícias, segundo a qual o PS obteve uma vitória de pirro nas últimas eleições europeias, o filho do antigo chefe de Estado protestou: "Isso é de mau gosto em relação a mim".

"Peço que respeitem o meu pai. O meu pai tem 90 anos. Respeitem o meu pai", reagiu João Soares.»

[Fonte: ionline]

4 comentários:

Anónimo disse...

O que é interessante nesta candidatura de António Costa é que houve uma tremenda precipitação causada por Pacheco Pereira na Quadratura do Círculo, pois foi à saída deste programa que António Costa enviou um SMS a Seguro a convocar a reunião. Além disso, toda a gente está a ver mal o filme, não percebendo que o problema está no socialismo em si e não nos indíduos. Na Inglaterra o Labour empatou com os conservadores e não foi aberta esta crise política. Talvez lhes falte lá um semeador de discórdia como Pacheco Pereira.

tina

Luis disse...

Tudo me separa de João Soares mas, mais ainda que a sua posição sobre o que se passa hoje no PS, admiro-lhe a frontalidade com que pede aos jonalistas-abutres que tenham respeito pelo pai que tem 90 anos.
De facto, o que se temos assistido ultimamente é à tal corja de abutres a permanentemente assediarem o velho homem para comentar a politica do país a fim de que, desta forma, possam garantir umas manchetes truculentas na 1ª pagina dos seus pasquins.
Tudo me separa tambem do velho sr Soares, mas como idoso que é merece o respeito, como qualquer ser humano, de não lhe colocarem a boca no trombone por dá cá aquela palha, quando aparentemente a plena lucidez de dias passados já não mora por aquelas bandas.

Rui C. disse...

Tudo me separa da dinastia Soares. Do pai por razões óbvias e do filho que aspira a suceder-lhe,
pelos tiques de príncipe herdeiro que disfarçadamente vai insinuando. Particularmente no que toca à rataria, desagrada-me visceralmente a tão característica hipocrisia mal alinhavada que se nota quando lutam pelo poleiro. Não é tanto as facadas nas costas, que as há em quaisquer outros partidos e fora deles, quando está em jogo a promoção. É mais o modo repelente como o fazem.

Soares II dixit:
“Não quero tomar partido, sou amigo dos dois, mas fulano (sendo uma besta) é o que está, e o outro, lá porque é melhor não se deve candidatar”, o que descodificado significa: com o outro nunca mais lá chego, por isso convém-me apoiar este.

Com respeito à habilidosa e sibilina resposta sobre a opinião do pai, merece um registo especial nos anais da velhacaria. Não é que não tivesse morto o pai há muito tempo, mas manifestar-se frontalmente contra, que eu saiba é a primeira vez. Por outro lado o argumento invocado é falso e não colhe. Se com noventa anos não sabe o que diz, compete à família protegê-lo. Se sabe, e acho que sabe, é responsável pelo que diz. Isto é, em se tratando do venerando Dr. Soares, tudo é relativo.

Anónimo disse...


Bom comentário de Rui C que explica o comportamento estranho de João Soares. Este post de J Miranda também foi muito elucidativo sobre a estratégia de Seguro

http://blasfemias.net/2014/05/31/estrategia-do-seguro/

É muito interessante perceber os jogos pelo poder das ratazanas.

tina