Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/06/2013

ARTIGO DEFUNTO: Paris já está a arder, segundo o jornalismo de causas

«Dezenas de montras de bancos e de comércios foram atacados, esta tarde, em Paris, quando milhares de pessoas desfilaram numa manifestação "anti-fascista", em memória de Clément Méric, jovem militante de extrema-esquerda morto há duas semanas depois de ter sido agredido, durante uma altercação, por um skinhead, membro de um grupo semi-clandestino da extrema-direita.

Os militantes de esquerda e extrema-esquerda, muitos vestidos de negro, atacaram com pedras montras de dezenas de bancos e de comércios ou vandalizaram-nos com slogans anti-capitalistas e anti-fascistas, mas a polícia não interveio e manteve-se à distância

Lendo os 2 parágrafos anteriores escritos pelo jornalista de causas Daniel Ribeiro que milita no Expresso em Paris, uma criatura normal poderia que «os franceses andam com os nervos à flor da pele» com a violência de um skinhead, com o perigo potencial dos movimentos extremistas e sobretudo com «os militantes de esquerda e extrema-esquerda» e a inércia da polícia.

Pois bem, segundo Daniel Ribeiro, concluiu, certamente depois de um aturado inquérito à opinião pública, «os franceses andam com os nervos à flor da pele» porque uma «votação na extrema-direita ronda os 47 por cento numa eleição legislativa parcelar», votação tão expressiva que uma criatura normal hesitaria em classificar de «extrema-direita» os seus eleitores. Mas, enfim, tudo é possível quanto o jornalista cita o ministro francês da Indústria, Arnaud Montebourg que terá dito que «Durão Barroso é o carburante da FN», contra a evidência da Frente Nacional crescer sobretudo quando a esquerda está no poder e, por isso, faria mais sentido concluir ser a esquerda francesa o carburante da FN.

Sem comentários: