Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

22/06/2013

Lost in translation (178) – O nosso problema não é o denominador é o numerador, disse ele

«Seguramente que o nosso problema principal em matéria de competitividade não será a dimensão dos salários. O nosso problema principal situa-se muito mais no processo de criação de valor e nas posições que ocupamos nas cadeias de valor globalizadas», disse o economista Augusto Mateus na Católica Porto Business School falando sobre «O campeonato da competitividade: O caso de Portugal». Para arrumar o assunto também disse, por estas palavras que o jornalista pôs na boca dele, que «o nível salarial português, nas empresas na indústria dos serviços com mais de 10 trabalhadores, é 55% do nível médio da União Europeia, enquanto em Espanha e Grécia é de 85 e 83%». Esqueceu-se porém de acrescentar ser a produtividade do trabalho por hora em Portugal pouco mais de metade da média EU27.

É um grande contributo para a teoria económica, semelhante ao de um matemático que concluísse que o importante para determinar o valor de uma fracção não é o denominador é o numerador.

Sem comentários: