Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/06/2013

Dúvidas (17) – Desde que não lhes mexam nos bolsos até podem arruinar o país?

Estudo de opinião da Pitagórica para o jornal i, entre 23 e 28 de maio de 2013
Como explicar esta avaliação deplorável que os inquiridos fazem da actuação de um governo que, apesar de desajeitadamente, com determinação insuficiente e sem levar a cabo todas as reformas indispensáveis, está a tentar resolver os problemas deixados pelos anteriores e nomeadamente pelos dois últimos, liderados por uma criatura que após 6 anos a arruinar o país tinha um terço dos inquiridos – aquilo a que baptizei de «constante de Sócrates», a avaliar positivamente a sua governação?

Outra dúvida: porquê o presidente de câmara Rui Rio, que nunca teve responsabilidades nacionais, seria escolhido para líder do PSD por mais de 1/3 dos inquiridos contra um pouco mais de 1/7 que escolheria Passos Coelho?

Os «lhes» do título são essencialmente os utentes da vaca marsupial pública e os pensionistas que ainda não perceberam quem lhes paga as pensões e imaginam estarem a ser pagos por um cofre milagroso onde se guardaram as contribuições que fizeram no passado.

Sem comentários: