Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/06/2013

TIROU-ME AS PALAVRAS DA BOCA: O contorcionista do Caldas

«Além de ter transformado o CDS em PP e voltado agora a utilizar praticamente só a sigla inicial, no próprio discurso, Portas fez ziguezagues e flic-flacs políticos como muito bem entendeu.

Teve a fase pura e dura liberal (PP), teve a época nacionalista (a da lavoura), teve o combate da justiça social (o defensor do contribuinte) e agora está de regresso à democracia cristã (marcando distâncias em relação ao próprio governo, neoliberal, que sustém contraditoriamente).


No entanto, já há um cheiro de aproximação ao PS, talvez para antecipar acordos num futuro em que os socialistas voltem a ser dominantes mas sem maioria absoluta. Se essa for a evolução, talvez tenhamos a revelação de uma faceta social-cristã do líder do CDS que é só a que nos falta ver

«Paulo Portas, o Caudilho do Largo do Caldas», Eduardo Oliveira Silva no ionline

Esclarecimento: não me foi tirada da boca a palavra neoliberal aplicada ao governo PSD-CDS, que de liberal tem tanto como de democrata tem o governo de Putin, a não ser talvez quando comparado com os seus antecessores soviéticos.

Sem comentários: