Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

08/06/2013

Estado assistencialista falhado (10) – Gostamos muito dele, mas não queremos pagá-lo, nem sabemos o que nos custa

Por um lado, o Estado Sucial incentiva o mais possível a desintegração das famílias, por todos os meios ao seu alcance, desde promover a união estéril e o aborto grátis até induzir a expectativa nos bestuntos que dará colo a toda a gente carecida, com vista a tornar descartável a solidariedade mais básica e essencial baseada no grupo familiar, por outro esportula as famílias com impostos para financiar o cumprimento da missão que se atribuiu.

Por exemplo, «um jovem internado (quase sempre proveniente de uma família desintegrada) num centro educativo tem um custo médio diário para o Estado de 133 euros, mais do dobro do custo de um recluso adulto, segundo dados da Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais.» Ou, dito de outro modo, o rendimento familiar anual de mais de 90% das famílias portuguesas não seria suficiente para pagar um jovem internado que custa por ano o equivalente ao IRS pago em média por 25 famílias.

Já tinha sido dito por Vítor Gaspar, o grande responsável pelas nossas amarguras, logo a seguir à economia de casino, ao neoliberalismo, às agências de rating e a Angela Merkel, que os portugueses gostam do Estado Sucial mas não querem pagá-lo. Falta acrescentar não sabem, nem nem querem saber, quanto custa.

Sem comentários: