Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/06/2013

CASE STUDY: António Champalimaud revolve-se na tumba (6)

[Outras revoltas na tumba: (1), (2), (3), (4) e (5)]

Confirmando as previsões que temos vindo a fazer do progressivo desbaratamento em sumptuosidades do legado de António Champalimaud, dos 500 milhões já só restavam 358 milhões no final de 2011 e recentemente um dos casos polémicos com a recusa pela administração da Caixa de um financiamento à Fundação Champalimaud, da qual António Borges, por coincidência, é administrador, veio indiciar que o fim está cada dia mais próximo.

Nada surpreendente quando se sabe ter a presidente Leonor Beleza anunciado no princípio do ano andar à procura de apoios financeiros e de mais doações explicando em linguagem cifrada: «vamos fazê-lo, não porque temos dificuldades agora, mas porque queremos fazer mais».

Sem comentários: