Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/04/2013

Ressabiados do regime (4) – O caso do défice de memória de Manuela Ferreira Leite

A respeito de Manuela Ferreira Leite, pode justamente dizer-se o que escrevi sobre outro ressabiado (António Capucho): é mais um exemplo de o ressabiamento ser um péssimo conselheiro e conduzir as pessoas inteligentes a dizerem e fazerem coisas estúpidas.

Como foi o caso de MFL ao dizer ontem na TVI uma série de barbaridades com uma mal disfarçada satisfação a respeito da declaração de inconstitucionalidade e da reacção do governo. Entre essas barbaridades foco a que é ao mesmo tempo uma barbaridade e um tiro no seu próprio pé, a saber:
«Este valor que está em causa representa pouco mais de 1 % de toda a despesa pública. Se lhe disserem em sua casa que precisa de reduzir a despesa em 1 %, pensa que vai desabar o mundo lá em sua casa? Qualquer um de nós é capaz de reduzir a despesa em 1%».
Não é uma declaração muito inteligente para quem apresenta no currículo duas presenças na área financeira de governo com os resultados que se evidenciam no diagrama seguinte e enquanto ministra da Educação recebe do seu antecessor uma despesa em 1992 de 3.268 milhões de euros e devolve o ministério ao seu sucessor em 1995 com uma despesa que nesse ano atingiu 4.014 milhões de euros (ambos os valores a preços constantes de 2006 - dados da Pordata), isto é com um aumento real de 23% em 3 anos.


«Qualquer um de nós é capaz de reduzir a despesa em 1%»

1 comentário:

Anónimo disse...

Depois admiram-se muito quando as pessoas dizem que estão fartas de ver as mesmas caras na política... Ó senhora, vá mas é estar com o seu netinho e gozar a(s) sua(s) reforma(s), já que nós não vamos ter nenhuma para gozar...