Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/04/2013

Pro memoria (107) – Que grande descaramento!

Nascido em 1955 e com décadas de militância comunista, Arménio Carlos tem tido estômago para conviver com gulags, chacinas e severas limitações das liberdades mais elementares conduzidas por ditadores vários, sempre em nome do comunismo, rebaptizado de socialismo após a morte de Estaline. Ainda hoje os comunistas se identificam com regimes tão democráticos como a Coreia do Norte e Cuba e demonstram as maiores simpatias por todos os regimes em que uma clique se instala no poder legitimada por eleições formais na ausência de liberdades de expressão e de uma mídia livre – como o chavismo venezuelano.

É esse mesmo Arménio Carlos, controleiro do PCP e actual chefe da CGTP, que durante uma grandiosa «Marcha contra o Empobrecimento» com 400 «opositores ao governo» (aqui o Expresso distraidamente testemunha a instrumentalização da CGTP pelo PCP), que se «dispersou a meio da iniciativa devido à chuva», compara o ministro das Finanças a Salazar e lhe chama «um ditador do século XXI». É preciso um grande descaramento.

2 comentários:

Vivendi disse...

Quando O Salazar colocar a despesa do estado em 15% então aí teremos ditador à séc xxi e um país próspero é claro. Mas o Gaspar ainda vai ter que bater muito punho.

Anónimo disse...

Para aquela gente, quem não é socialista/comunista é fascista/capitalista. É um mundo a preto e branco, como o das criancinhas.

JEM