Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/04/2013

Lost in translation (173) – Empurrando com a barriga para a frente

A troika e o Eurogrupo e, mais tarde, o Ecofin puseram-se de acordo em diferir por 7 anos o prazo de reembolso dos empréstimos ao abrigo do PAEF. Ainda é preciso que os parlamentos de alguns países, nomeadamente o Bundestag abençoe este diferimento, mas por cá o governo e a coligação que o suporta já suspiraram de alívio.

Sem surpresa, quem não suspirou de alívio foi o PS que quer mais tempo para reduzir o défice, quer taxas de juros mais baixa e um «diferimento dos juros», ou seja, dito por outras palavras, um novo empréstimo sem juros para pagar os juros. Não é extraordinário? É.

Contudo, o mais extraordinário é a tradução em português vernáculo dos suspiros do governo e dos sonhos do PS, a saber: uns e outros, em doses diferentes, querem empurrar a conta da prodigalidade dos pais e dos avós para os filhos e, no caso do PS, provavelmente para os netos.

Nesta altura, imagino um amigo que eu cá sei a dizer-me: é natural que os nossos filhos e netos paguem a factura porque vão usar as infraestruturas que lhes deixamos. Em resposta, imagino-me a dizer-lhe que ele me faz pensar no pai que deixa ao filho uma empresa com uma sede social sumptuosa comprada a crédito, da qual só metade é usada, falida e com um passivo pantagruélico.

Sem comentários: