Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/04/2013

Pro memoria (112) – Sarko volta. Estás perdoado.

Segundo uma sondagem CSA da semana passada, se as eleições presidenciais em França tivessem sido no domingo os resultados da primeira volta seriam:
  • Nicolas Sarkozy 34%
  • Marine Le Pen 23%
  • François Hollande 19%
Ou seja 41% dos eleitores de Hollande na primeira volta do ano passado não votariam agora nele.

Se tivesse sido a segunda volta, os cenários seriam :
  • Nicolas Sarkozy 61% x François Hollande 39%  ou 
  • Nicolas Sarkozy 67% x Marine Le Pen 33%
François Hollande (e o PS francês) é mais um exemplo de como não fazer reformas e, apesar disso, ou talvez por isso, perder as próximas eleições. Um dos próximos exemplos será o da derrota do PSD pela coligação informal PS-CDS.

Aditamento
A propósito da citada coligação informal, já depois de ter publicado este post, li o que escreveu hoje no DN Mário Soares que deve saber do que fala quando incita Portas a sair do comboio do PSD em andamento e entrar no do PS:
«Enquanto Portas tinha alguma esperança de se associar ao PS, o que seria um conforto para ele, foi deixando andar. ...
Assim sendo, Paulo Portas não pode continuar, no contexto atual - e sem se desacreditar totalmente - a dar uma no cravo e outra na ferradura, sem destruir o seu partido. No interior do CDS/PP há quem pense assim e queira deixar cair o PP e fique só o CDS

Sem comentários: