Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

09/12/2012

SERVIÇO PÚBLICO: 3 entre as 80 melhores

No ensino da gestão ainda não estamos ao nível do futebol (4.º no ranking da FIFA em 7 de Novembro), mas os quadros seguintes evidenciam um progresso notável (Financial Times - European Business School Rankings 2012).



Para colocar um pouco de água na fervura, leia-se aqui na Economist como o ensino universitário americano (e o europeu, acrescento) está gradualmente a cair no facilitismo. O comentário seguinte de um leitor também se aplica à Europa e a Portugal, no que respeita ao desajustamento entre as competências e as necessidades do mundo real:

«The tuition increases, grade inflation, less erudite graduates, and poor prospects all speak to one thing: market failure. We, as a society, through our secondary schools, and by way of the government, have created failure in the education market. We see a bachelor's degree as the only means to a successful life; we promote it through grants, loans, scholarships and affirmative action; and we act as though learning a trade is lower-class work, worthy of immigrants.
As a consequence, we end up with a work force whose skills do not align with available jobs. We have too many schools for too many students learning skills too poorly for jobs that aren't there. Yet, we continue to push the narrative that this is the only way ahead. Is it any wonder why tuition rates have increased or the quality of education has decreased?»

1 comentário:

Anónimo disse...

EStranho: Países como a Espanha, Itália, Irlanda á nossa frente e Alemanha, Austria, atrás? Esta coisa das médias é muito traiçoeira..
António