Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

12/12/2012

Mitos (93) – O TARP foi a socialização dos prejuízos (2)

Post de 08-03-2012

Segundo a versão da esquerda europeia, o TARP (Troubled Asset Relief Program) foi montado pela administração Bush para salvar a bolsa dos capitalistas da economia de casino. Um dos beneficiários do TARP foi a AIG, em tempos a maior seguradora mundial.

A exemplo de outros beneficiários do TARP, a AIG, resgatada com 180 mil milhões de dólares dos contribuintes americanos, já restitui USD 50 mil milhões e está (estava em Março deste ano) a vender cerca de 20% do capital da AIA, uma seguradora de Vida sua subsidiária cotada em Hong-Kong, por cerca de USD 6 mil milhões para pagar mais uma fatia ao governo. Compare-se isto com o resgate socrático consistindo na nacionalização do BPN para salvar a pele dos clientes e accionistas amigos.

Actualização

Cerca de 4 anos depois do resgate de USD 180 mil milhões, o governo americano vendeu a última fatia do que Ben Bernanke, actual presidente da FED, classificou como um hedge fund pendurado numa seguradora grande e estável e acabou embolsando um lucro de USD 20 mil milhões, ou seja teve um retorno superior ao juro que paga pelas obrigações do tesouro que emite.

Entretanto as acções da AIG valorizaram-se este ano em mais de 50% à medida que se reduziu o envolvimento do governo americano. O ROE sem mais-valias extraordinárias já anda pelos 5%, contudo, ainda há um longo caminho a percorrer até chegar aos 10% que é o objectivo.

A quem possa interessar

Tenho perfeita consciência que para a maioria dos crentes na vulgata da esquerdalhada só interessa catar os factos que aparentemente confirmam a doutrina, porque no final do dia aplicam o princípio de Tertuliano (supondo que foi ele que o formulou) credo quia absurdum. Não é para esses que aqui escrevemos.

Sem comentários: