Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

17/12/2012

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: O caminho fez-se caminhando

Chegámos onde estamos por várias razões. Uma delas foi a crescente divergência entre a produção e o consumo que nos conduziu, ano após ano, sobretudo após a adopção do euro, a endividarmo-nos para mantermos o padrão de consumo. Com uma moeda própria, na última dúzia de anos teríamos feito uma ou duas desvalorizações e corrigido à bruta a divergência. O gráfico seguinte mostra claramente o caminho que percorremos.

Público
O quadro seguinte evidencia um outro aspecto: todos os 9 países com um PIB per capita mais elevado, a começar no Luxemburgo e a acabar na Bélgica, têm um consumo per capita menor em termos relativos à média dos EU27. Os países com consumo superior em termos relativos ao PIB são: o Reino Unido, a França, a Itália, o Chipre, a Grécia, Portugal, Lituânia e Polónia. Não deveria ser surpresa que estes países se dividem três grupos: os que têm moeda própria (RU, Lituânia e Polónia) e que por isso dispõem de uma política monetária independente; os que estão sob assistência da troika (Chipre, Grécia, Portugal) e os que estão em risco (França e Itália).

Eurostat Newsrelease 13 Dec
Note-se que a Irlanda, também a este respeito, corre em pista própria, como se vê pelo comportamento dos yields da dívida pública e pela saída da recessão já o ano passado. Note-se também o ajustamento brutal do PIB entre 2008 e 2012, um exemplo de que é preferível começar por tomar as medidas mais duras de ajustamento do que empurrá-las com a barriga para a frente.


Fonte: Light at the end of the tunnel, Economist e Bloomberg, respectivamente

Sem comentários: