Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/12/2012

Dúvidas (8) – Se não é para chegar ao Estado mínimo, é para chegar aonde?

«Como sabemos que há fatores de pressão extremamente significativos sobre a atual caracterização do Estado social, é por isso que nós dizemos que as reformas são necessárias, mas não é para chegar a qualquer Estado mínimo, para preservar e proteger aquilo que é essencial do ponto vista social», disse Paulo Portas no final da reunião do Conselho Nacional do CDS ontem.

Supondo que por Estado mínimo se entende um Estado circunscrito às suas funções essenciais de soberania e que por Estado social se entende o modelo de Estado existente em Portugal e na maior parte da Europa e verificando-se que na maior parte da Europa esse modelo de Estado se revela cada vez mais insustentável, qual será o Estado a que o CDS quer chegar?

Sem comentários: