Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/12/2012

Assim é difícil

«O(s) partido(s) dos funcionários


Cerca de dois terços dos membros eleitos para o Comité Central do PCP são funcionários do próprio partido ou da sua organização de juventude. Esta informação chegaria para compreendermos o modelo de país que o PCP nos ofereceria caso chegasse ao poder.

Dois terços dos seus dirigentes dependem, na sua vida pessoal, do próprio partido, da sua liderança. Não têm, pois, autonomia pessoal. Ali não há pluralidade de interesses nem diversidade de vidas. 66,6% dos dirigentes têm vidas semelhantes uniformizadas.

É um dado que fala por si. De tão evidente, é como um grito.

E o mais preocupante é que a generalidade dos outros partidos lhe seguiu o modelo. A diferença é que, em vez de funcionários do partido, têm para aí dois terços de boys do Estado, os quais dependem indiretamente do poder que lhes dá o líder.

Querem reformar o país? Pois assim é difícil.»

Henrique Monteiro, Expresso

Sem comentários: