Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

23/12/2012

Mitos (94) – A liberalização do porte de armas nos EU

De cada vez que um tarado assassina umas dezenas de pessoas nos Estados Unidos, o mundo agita-se num grau que depende do inquilino da Casa Branca. Se Bush Júnior ainda por lá morasse, o massacre de Newtown teria gerado um tsunami de indignação. Como o Grande Parlapatão ganhou as eleições ao Grande Saltitão, o tsunami foi de pesar e as almas sensíveis apontam o dedo à liberdade de porte de armas e suspiram de hope no we can do Grande Parlapatão. Quando os tarados assassinam por atacado em países como a Noruega, a Alemanha ou a Suécia o problema muda do plano sociopolítico e passa para o plano psicológico.

Esqueçamos que a história americana explica o «direito adquirido», para usar um conceito adorado pelos portugueses, ao porte de armas reconhecido na Constituição e vejamos então o que se passa num mundo onde em que quase todos os países têm forte restrições legais à venda e ao porte de armas, para perceber em que medida é que este direito e costume americanos podem ter influência e explicar em termos relativos o impacto nos homicídios. (*)

Segundo as estatísticas 1995-2011 do «Intentional homicide» (defined as unlawful death purposefully inflicted on a person by another person) da UNODOC (agência da ONU para as drogas e o crime) em 94 dos 207 países a taxa por cem mil habitantes do ano mais recente disponível é superior à dos Estados Unidos. Entre os países com taxas superiores encontramos:
  • Ex-colónias portuguesas como Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Timor Leste;
  • Paraísos socialistas como Cuba, Venezuela (taxa 9 vezes superior à dos EU), Coreia do Norte (3 vezes);
  • Países pacíficos como o Brasil (taxa 4 vezes superior à dos EU) e Groenlândia;
  • Países do extinto paraíso soviético como Estónia, Cazaquistão, Quirguistão, Lituânia, Moldávia, Rússia (2 vezes), Ucrânia.
Em conclusão: se é certo que sem armas não se dispara é igualmente certo que as armas não disparam sozinhas.

(*) Convirá acrescentar que uma das armas do tarado de serviço em Newtown era da mãe, ela própria com uma mulher perturbadíssima, e que Connecticut, onde se situa Newtown, é dos estados com maiores restrições ao porte de armas.

Sem comentários: