Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

26/09/2012

SERVIÇO PÚBLICO: Podia ser muito pior (3)

[(1) e (2)]

A execução orçamental continuou a deteriorar-se com o agravamento do défice de 2.787 em Julho para 3.501 milhões em Agosto, pelas seguintes razões principais:
  • Do lado da receita uma queda em relação a 2011 dos impostos indirectos (essencialmente IVA) e das contribuições para a SS de cerca de 1.406 milhões no conjunto;
  • Do lado da despesa, apesar da melhoria do saldo primário que passou de -1.588 em 2011 para +767 milhões este ano, mesmo com o  aumento das transferências para a SS de 556 milhões, o saldo global agravou-se em relação a Julho, devido ao efeito conjunto do aumento de 677 milhões dos juros e da queda das receitas. Positiva, apesar de tudo, a redução do saldo global em 1.677 milhões em relação a 2011.

Fonte: Síntese da Execução Orçamental Mensal de Setembro, DGO
CLICAR PARA AMPLIAR
O que falhou? A previsão das receitas de IVA (desconsideração dos efeitos da retracção do consumo – ver este post) e a previsão das prestações da segurança social (subestimativa do desemprego). É grave? Em termos absoluto é. Pela bitola dos ministros das Finanças socialistas, nem por isso: em condições muito menos voláteis, o défice de 2009 passou de 2,2% para 10,0% e défice de 2010 de 6,8% no programa eleitoral do PS de Abril de 2011 acabou em 9,8%. (ver a série de posts «Défice de memória»)

Sem comentários: