Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/09/2012

Presunção de inocência ou presunção de culpa? (8)

Continuação de (1), (2), (3), (4), (5), (6) e (7).

Deve haver uma explicação, que me escapa, para as trivialidades das equivalências a martelo na licenciatura do Relvas ocuparam os mídia durante vários meses (ver aqui a enumeração das 8 páginas do célebre número do Expresso dedicadas ao este caso transcendente), se fazerem manifestações, aparecerem cartazes na volta à França e nos jogos olímpicos e sobre o caso Freeport (ou o caso dos submarinos ou o caso dos sobreiros), que tudo indica ter sido um dos mais graves casos de corrupção neste país, os mídia, com poucas excepções, guardarem de Conrado o prudente silêncio. Os mídia e os indignados.

Surpreendentemente, o Expresso publicou no sábado passado um resumo das «pontas soltas levantadas durante o julgamento do caso Freeport e a convicção formada pelos três juízes do Montijo no polémico acórdão». Se não leram vale a pena ler.


Clicar para ampliar

Sem comentários: