Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

30/09/2012

O camaleão do regime

Já por várias vezes, por exemplo aqui, mostrei a minha admiração pela surpreendente capacidade do CDS de produzir socialistas eméritos como Freitas do Amaral, Basílio Horta e, mais recentemente e menos emeritamente, Assunção Cristas. Socialistas e proto socialistas, como o professor Adriano Moreira, que é o caso de que agora me ocupo. Talvez não seja surpreendente, porque o «S» de «Social» está lá a avisar desde a fundação.

Contudo, o caso de Adriano Moreira é talvez o mais espantoso em termos camaleónicos. Tão espantoso que ainda mais me espanto por isso, espantosamente, não parecer espantar ninguém. Até agora.

No sábado, o Comendador Marques de Correia na sua rubrica «Ditosos filhos que tal pátria têm» na Gente do Expresso, releva a carreira de Adriano Moreira começada na oposição democrática ao salazarismo, continuada como secretário de Estado e ministro do Ultramar do regime, ao qual se supunha opor-se e ao serviço do qual abriu o campo de trabalho do Chão Bom em Angola (*). Do ministério do Ultramar transitou para a Escola Superior Colonial, como se chamava então o ISCSPU, agora ISCSP e emergiu no pós 25 de Abril como um dos ideólogos e líder do CDS. Actualmente, como se tem visto, pouco se distingue de Freitas do Amaral no seu percurso a caminho do socialismo, apenas interrompido aqui e ali por um refluxo explicado por alguma beliscadura ao seu inflado ego.

(*) E não o campo do Tarrafal em Cabo Verde, como erradamente refere o Comendador quando cita a portaria 18.539 de 17-06-1961, assinada pelo então ministro do Ultramar Adriano José Alves Moreira. Quem reabriu o Tarrafal foi o ministro Silva Cunha em 1965 pela Portaria n.º 21217 de 10-04-1965.

Sem comentários: