Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/09/2012

Estaria a criatura a pensar no regulamento do Gulag? (2)

Outros Gulags: (1)

Ontem uma deputada comunista enviou ao governo uma pergunta sobre um anúncio publicado no sítio do IEFP em que uma entidade privada se propõe contratar um enfermeiro para «apoio psicológico e na recuperação da mobilidade … (que) esteja preparado para interagir com os serviços médicos/hospitalares locais … (e) disponível para preparar refeições, limpar a casa e cuidados mínimos do jardim».

Apesar de ser uma pergunta ao governo, a deputada não espera pelas respostas e vai logo classificando a proposta da entidade privada como um «um ataque e uma desvalorização» do governo, acusando-o de «retirar direitos aos trabalhadores, aumentar a exploração e a precariedade e desvalorizar os trabalhadores». Podia comentar a «desvalorização» implícita que a deputada comunista faz das profissões de cozinheiro, faxineiro e jardineiro mas não vou por aí.

Não sei se a deputada é contemporânea do Gulag, mas pelo menos tinha a obrigação de saber que é preciso muita lata sua e do seu partido para se enfeitar com ridículas lengalengas a respeito dos trabalhadores, mais próprias do esquerdismo politicamente correcto, sem nunca ter renegado o tributo ao PCUS, ao regime soviético e aos seus Campos e Colónias Correctivas de Trabalho (Gulag). Trabalhos forçados para repressão dos incréus na bondade do paraíso socialista, recorde-se.

Sem comentários: