Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

13/09/2012

Bons exemplos (39) – Qual a diferença entre a justiça brasileira e a portuguesa?

Obrigado pela pergunta.

A justiça portuguesa faz milhares de diligências, ouve centenas de testemunhas, instrui durante anos processos com milhares de páginas e no final conclui que há corrupção, mas não há corruptos, ou não há provas, ou há crime mas a pena fui cumprida pela prisão preventiva, ou há crime mas prescreveu. E assim colecciona casos como a Cova da Beira, Apito Dourado, Freeport, Face Oculta, TVI, Taguspark, Herdade dos Salgados, Submarinos, you name it.

A justiça brasileira consegue entrar na toca do lobo, acusa, julga e começou a condenar os gestores do Mensalão, o aparelho pêtista de Lula para comprar os votos dos deputados. Entre os passarões a ser julgados encontra-se José Dirceu, o braço armado de Lula (não, não é só uma figura de estilo, dado o passado do homem), e amigo do peito daquela gente da Ongoing, cujo deus ex machina são os Espíritos, como se sabe (ver aqui o dossiê da Veja).

Clique para ampliar

Sem comentários: