Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/05/2012

Vivemos num estado policial? (3)

Não se sabe exactamente quantos polícias existem em Portugal, o que não tem nada de excepcional porque também se discute quantos são os desempregados, a despesa ou a dívida pública. O que se sabe é que são muitos, tal como os desempregados, a despesa ou a dívida pública. Tantos que fazem de Portugal um dos estados mais policiados do mundo.

Tal facto não impediu Rui Pereira, um dos homens do avental, ministro da Administração Interna de anunciar em 2008 que iriam ser contratados mais dois mil polícias a adicionar aos 46 mil ou 49 mil - as opiniões dividem-se. O que também não impediu o actual MAI de anunciar menos de 4 anos depois o recrutamento de mais 1.100 polícias e GNR.

E tudo isto não impede, segundo o Expresso, o novo comandante da PSP de ter produzido um documento com o pomposo nome de Grandes Opções Estratégicas 2013-2016 onde anuncia a contratação de mais 500 polícias por ano e pré-reformar 300.

É caso para concluir que a relação entre o número de polícias e a segurança obedece a uma função zingarilho: quanto mais polícias menos segurança.

Outros casos de polícia: (1) e (2)

Sem comentários: