Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/05/2012

ARTIGO DEFUNTO: Onde se fica a saber, a propósito da IKEA, que nos paraísos socialistas soviéticos havia trabalho forçado

Durante as décadas de 70 e 80, a empresa sueca IKEA manteve um contrato com o governo da Alemanha de Leste, para a fabricação dos seus produtos nesse paraíso do socialismo soviético. O governo da Alemanha de Leste tinha uma polícia secreta chamada Stasi encarregada de proteger o Estado Socialista dos seus inimigos capitalistas.

40 anos depois, jornalistas suecos descobrem nos arquivos da Stasi documentos, tornados públicos com a queda do muro de Berlim e o colapso do paraíso socialista soviético sob a pressão do imperialismo ianque, que provam que o governo da Alemanha de Leste utilizava trabalho forçado dos prisioneiros políticos dissidentes para fabricar os produtos da IKEA.

Pergunta: como deve descrever estes factos um jornal económico português pertencente à Ongoing, cujo deus ex machina é um dos bancos do regime? Fácil meu caro Watson, assim:
«A multinacional sueca utilizou prisioneiros políticos da antiga Alemanha Oriental como trabalhadores forçados nas décadas de 1970 e 1980».

Sem comentários: