Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/05/2012

Estou a dar o meu melhor para escapar a esta esquizofrenia paranóica… (3)

… mas não resisto a relembrar a estória da velhinha que um escuteiro possuído pelo espírito de missão forçou a atravessar a rua, tudo para ouvir «ó meu menino eu estava parada do outro lado da rua a pensar na vida mas não queria vir para este lado».

A estória ocorreu-me a propósito dos associados da CAP que «não foram contactados pelo Pingo Doce por forma a contribuirem para a campanha promovida pelo Pingo Doce no passado 1.º de Maio», transformando em excitação sem causa as excitações várias, nomeadamente da ministra socialista da Agricultura e do tele-evangelista doutor Louçã.

Actualização:
Há excitações para todos os gostos. O presidente da CNA, essencialmente uma associação satélite do PCP, pouco representativa, de pequenos agricultores que provavelmente pouco vendem para a grande distribuição, quer que «digam exatamente quanto ganharam no 1.º de maio e não tentem aplicar descontos aos produtores a pretexto destas promoções», mostrando que o objectivo da CNA não é prosseguir a prosperidade dos seus associados mas impedir a prosperidade dos «capitalistas». No final, se o deixássemos, teríamos as prateleiras do Pingo Doce com o mesmo aspecto das prateleiras dos «armazéns do povo» - vazias.

Sem comentários: