Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

20/05/2012

CASE STUDY: formação pós-graduada a la bolognesi (6)

[Outras bolognesi (1), (2), (3), (4), (5)]

Confesso o meu fascínio pelo fenómeno epidemiológico das pós-graduações nas universidades portuguesas, já tratado várias vezes no (Im)pertinências. Para ser exacto, o meu fascínio estende-se às graduações universitários em geral as quais, segundo as contas do Expresso, entre licenciaturas, mestrados e doutoramentos, já vão em 5.049 «propostas», como agora se chamam essas coisas.

O Guia do Estudante do Expresso é a este respeito um insubstituível repositório de informação. A primeira vez que me lembro de o escalpelizar foi em 2005 quando encontrei cerca de 1.500 propostas de pós-graduação. Era muito? Pois era, mas ainda estávamos longe do número actual de 2.539 propostas, incluindo 982 pós-graduações strictu sensu e 1.557 mestrados, enumeradas no guia deste ano.

Não é preciso ser-se um especialista em pós-graduações para se perceber que num país deste tamanho a pletora destas propostas e a irrelevância da maioria delas constituem um imenso desperdício de recursos, só possível por via dos subsídios, no caso das universidades públicas, e pela falta de qualidade no caso das universidades privadas. Nos próximos tempos, à medida da minha paciência, talvez espiolhe este manancial e dê aqui conta das propostas mais excitantes.

(Talvez continue)

Sem comentários: