Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

29/05/2012

O ruído do silêncio da gente honrada no PS é ensurdecedor (58) – As rendas são más? Depende de quem as paga.

«De repente, os maiores defensores da política de subsídios à EDP e suas amiguinhas passaram a ser os maiores críticos desses mesmos subsídios (às energias renováveis), e até já rotulam o fenómeno de "rendas". De Basílio Horta não se esperava outra coisa. Mas já me custa assistir à desonestidade intelectual de António José Seguro. Aqui temos o líder do PS, com a sua cara de acólito, a criticar a direita que sempre criticou as rendas socráticas e que teve de renegociar os pactos energéticos herdados do governo socrático . Recorde-se que estes pactos energéticos nunca foram criticados pelo dr. Seguro. Para o dr. Seguro, as "rendas" eram uma coisa boa, moderna, verde e socialista. E, claro, os jornalistas deixaram Seguro passar entre os intervalos da chuva. Ninguém lhe perguntou "mas onde é que V. Exa. andou nos últimos, vá, cinco anos? A dormir no parlamento?". O dr. Zorrinho, o génio dos subsídios ao dr. Mexia, também não foi questionado

Henrique Raposo, no Expresso

Sem comentários: