Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

11/05/2012

SERVIÇO PÚBLICO: O cinema independente não depende dos espectadores (3)

[Sequela de (1) e (2)]

Ontem em frente ao parlamento em S. Bento juntou-se uma multidão de gente que se supõe ligada ao cinema independente para exigir ao governo o saque de mais impostos para subsidiar a projecção do imaginário dos portugueses.

Exagero meu? Nem por isso. A associação dos realizadores entende, pela pena de um deles, que está em causa «a capacidade dos portugueses, através dos filmes e do seu cinema, sonharem, se confrontarem com os seus fantasmas, fruindo na sua vida uma experiência mais rica e intensa, através das suas emoções e da projecção do seu imaginário».

E quantos portugueses fruem a projecção do seu imaginário proporcionada por estes cineastas manifestantes? Em vários dos filmes saídos desses crânios, menos do que o número de manifestantes – ver este post, por exemplo. De onde se poderia concluir que se todos esses manifestantes, mais os amigos, a família e as namoradas e namorados, vissem regularmente todos os filmes portugueses as audiências médias aumentariam significativamente.

Por isso, seria muito mais adequado substituir na frase bombástica acima a palavra «portugueses» por «cineastas» e, nesse caso, tudo ficaria mais claro. Os manifestantes foram lá tratar da sua vidinha, tentar olear a máquina que esportula os portugueses para eles sonharem e se confrontarem com os seus fantasmas, ou simplesmente se masturbarem com as suas criações para as quais o povo português se borrifa.

Sem comentários: