Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

02/05/2012

ESTÓRIA E MORAL: Para não ter respostas erradas é preciso fazer as perguntas certas

Estória

«Quanto tempo Portugal vai estar assim?», perguntou-se Pacheco Pereira no Público (pode ler-se o post do Abrupto). Começando por uma pergunta retórica, não espanta que o texto seja apenas uma extensa e erudita lamúria, deserto de tentativas de lhe responder.

Em vez dessa pergunta ou, pelo menos, antes dela, devem ser feitas outras. Quantas décadas foram necessárias para Portugal estar assim? O que fizeram os portugueses durante esse tempo para Portugal estar assim? O que deveriam ter feito os portugueses para Portugal não estar assim? E, já agora, porquê a maioria dos portugueses e quase toda uma legião de luminárias de várias especialidades e doutrinas só no final de uma longa marcha que nos conduziu a estar assim percebeu que Portugal está assim? São algumas dessas outras perguntas prévias.

Talvez seja até prudente cada um perguntar-se, antes de todas essas perguntas, em que consiste o «estar assim»?

Moral

«Para dizer que vai acontecer, é preciso entender o que já aconteceu
Nicolau Maquiavel

Sem comentários: