Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/12/2003

ESTÓRIA E MORAL: O homem doente da Europa.

Estória
Um relatório do Eurobarómetro, bastante citado na imprensa, mostra que 38% dos portugueses sofrem de reumatismo ou artrite, 22% de hipertensão e 10% de diabetes, o que perfaz a bela percentagem de 70% de portugueses que se queixam destas maleitas graves. Se adicionarmos as restantes maleitas graves, provavelmente ultrapassaremos os 100%, mas claro que há portugueses avaros que poderão ter simultaneamente várias doenças graves. Esta performance é absolutamente notável comparativamente com a maioria dos outros países da União Europeia.
Um outro estudo da Fundação de Ciência e Tecnologia, também citado na imprensa, conclui que 36% das crianças portuguesas entre os 7 e os 9 anos têm excesso de peso, o que parece afastar a fome como factor explicativo da morbidez dos portugueses.
Disse-me Alf, o melmaciano que abanca no sótão dos Tanners, is that so with Portuguese people? They should be healthy enough to suffer so much disease.

Moral
Não é de agora o mal que não melhora (ditado popular)

Sem comentários: