Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/12/2003

BLOGARIDADES: A sensibilidade aos encantos viris não evita o estilo rasteiro.

Quanto estou deprimido tenho tendências masoquistas (depressões ligeiras) ou suicidas (depressões profundas). É nessas alturas que sou atraído pelo causa nossa, como uma mosca pelo vinagre. Ainda não percebi a ligação entre esses meus estados de alma e o estilo bolorento e cinzentão daquelas luminárias que produzem a causa nossa, que incluem o inefável doutor Eduardo Prado Coelho. Quanto estou mesmo muito deprimido, vou em busca dum post da doutora Ana Gomes, La Pasionaria do Largo do Rato.
Foi o que aconteceu agora. Li de um só fôlego os Majores Carapuças , e fiquei a saber que La Pasionaria apesar de considerar o futebol o ópio do macho luso é “sensível aos encantos viris de um Luís Figo, de um Vítor Baia ou de um Nuno Gomes”.
O gosto pelos encantos viris não a ajuda, porém, a chamar os bois pelos nomes. Pelo contrário, evita cuidadosamente nomear o major Valentim Loureiro nas dezenas de linhas que lhe dedica, cheias de insinuações num estilo rasteiro, sobre as batotas que o senhor major provavelmente terá levado a cabo nas suas múltiplas actividades militares, empresariais, desportivas e políticas.

Sem comentários: