Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/06/2018

Os torquemadas alimentares são prejudiciais à saúde mental

O próximo passo
«Depois de os hospitais e os centros de saúde públicos terem retirado das máquinas de venda automática alimentos “prejudiciais à saúde”, como os bolos, salgados, snacks e refrigerantes, PAN quer estender a medida aos estabelecimentos de ensino público, de nível básico e secundário.» (Jornal Económico)

E porque não substituir os bolos, salgados, snacks e refrigerantes por canabis e drogas recreativas disponíveis gratuitamente nas cantinas escolares?

1 comentário:

Anónimo disse...

O fruto proibido é o mais apetecido, diz o povo.
Estes «legisladores» ou não são portugueses ou são estúpidos. O povo irá sempre dar-lhes a volta, como deu, v.g., à matança "caseira" do porco.
Quando há uns bons anos o governo decretou que os fabricantes de pão tinham que o fazer com menos sal, via-se o pequeno-almoço nos «cafés» — "sandes" mista e galão. O povo abria a sandocha, polvilhava-a de sal em ambas as faces internas, e papava-a com o galão (com 2 pacotes de açúcar).
Estes «legisladores» pensam que a saúde se obtém por decreto. Por decreto, o que se obtém são doenças.
Desde que não se proíba bolos, salgados, snacks e refrigerantes, etc., podem por nas vitrinas cânhamo et all. Os clientes escolherão.