Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

19/06/2018

A maldição da tabuada (46) - A dificuldade de contar está embebida na alma lusitana


Segundo o Relatório de Primavera 2018 do Observatório Português dos Sistemas de Saúde, citado pela RR, «Portugal desconhece quantos profissionais de saúde estão a trabalhar».

O próprio título presta-se a confusões e pode ser interpretado como: (1) quantos profissionais têm emprego no SNS ou (2) quantos desses profissionais estão a trabalhar, mesmo, uma vez que segundo um dos investigadores «um número indeterminado de profissionais trabalha tanto no setor público como no setor privado».

De onde é possível concluir que o próprio desconhecimento não é conhecido, o que me leva até Donald Rumsfeld que disse a propósito da invasão do Iraque:
«There are known knowns. These are things we know that we know. There are known unknowns. That is to say, there are things that we know we don't know. But there are also unknown unknowns. There are things we don't know we don't know

3 comentários:

Ricardo disse...

"é fazer a conta" disse aquele personagem que fugiu do "pântano nacional" e agora está no "pântano global".

Anónimo disse...

Com tão poucas palavras, Donald Rumsfeld até foi brilhante. Nunca lhe invejei a vida, a sina.
E aplicando o seu estilo: «O tó foi sempre tó».

Anónimo disse...

Ia comento uma injustiça: Esta alegoria de Rumsfeld devia constar no vosso Glossário. Ok?