Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

14/06/2018

Mitos (274) - Diferenças salariais entre homens e mulheres (9)

Outros mitos: (1), (2), (3), (4), (5), (6), (7) e (8)

Esta série de posts tem sido dedicada à desmistificação das teses das diferenças salariais entre sexos serem devidas à discriminação, teses que não têm conta as diferentes funções desempenhadas. É um erro metodológico primário não devido ao acaso, mas resultante das estatísticas de causas produzidas pelos militantes dessas causas que fabricam as hipóteses à medida das suas teses. Uma das consequências desta mistificação é que as políticas desenhadas com base em falácias são... falaciosas.

Para recordar um só exemplo, já aqui referido, o grupo a que pertence a Economist - um bastião da não discriminação sexual no trabalho - apresenta uma diferença salarial de quase 30%, porque como eles próprios reconhecem, os executivos são comparados directamente com as suas secretárias, entre outros disparates.

Como o feminismo de pacotilha - uma modalidade do politicamente correcto - é hoje a lengalenga dominante, muitas criaturas adoptam essa visão mistificadora. Não é o caso do post «O Feminismo faz tanta falta como o Machismo» (lema que pode ser adoptado pelos impertinentes cá de casa), de Cristina Miranda do Blasfémias que, contra a corrente, faz notar «as estatísticas enganadores das diferenças salariais quando as categorias profissionais estão todas tabeladas sem diferenciação de sexos».

Sem comentários: