Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

16/06/2018

Não é que os portugueses morram de amores pela Óropa, é mais estarem pelos cabelos com o Portugal que eles próprios construíram

Algumas conclusões sobre as idiossincrasias dos portugueses visíveis nos resultados do Inquérito Eurobarómetro Standard da primavera de 2018.

Os portugueses:

  • são, a seguir aos dinamarqueses, os que mais confiam na União Europeia (57 %), confiança que em relação ao outono de 2017 aumentou 6 pontos percentuais;
  • em grande maioria (80%) defendem o euro;
  • em grande maioria (88%) apoiam a livre circulação de pessoas na UE;
  • praticamente metade consideram má a situação económica do país.
  • são, a seguir ao luxemburgueses, os mais optimistas quanto ao futuro da UE (71%);

Se me permitem, aqui vai uma interpretação livre destes resultados:

  • compreensivelmente, os portugueses confiam mais no governo europeu do que no resultado das suas (más) escolhas;
  • idem mais na moeda europeia do que na sua própria, sujeita aos malabarismos do seu governo; 
  • há mais portugueses que querem viajar ou residir no estrangeiro do que estrangeiros a quererem viajar ou residir em Portugal (até os refugiados evitam Portugal e quando não conseguem escapolem-se na primeira oportunidade); 
  • a metade dos portugueses que consideram má a situação económica do país é a metade que não vive pendurada directa ou indirectamente no Estado Sucial; 
  • os portugueses são optimistas em relação futuro da UE porque são pessimistas em relação ao futuro do seu país governado pelos seus eleitos, depois de três resgates e a trabalhar para o quarto.

2 comentários:

João José Horta Nobre disse...

A actual elite que saqueia Portugal, é o fruto podre nascido a partir de 43 anos de "democracia" abrilesca ao serviço do Globalismo. Esta gente e que ninguém tenha a menor dúvida sobre isto, está apostada em destruir Portugal, custe o que custar. Neste momento temos um País que tem membros-convidados do Clube Bilderberg, tanto a ocupar o cargo de Primeiro-Ministro, como o cargo de Presidente da República. Por sua vez, o patético governo da "geringonça", é composto por uma miscelânea de tarados onde podemos encontrar marxistas ortodoxos, socialistas, maçons, neo-marxistas (Escola de Frankfurt), maoistas, estalinistas, trotskistas e certamente que também algumas bichas excitadas e a pensar em mudar de sexo, género ou o raio que as parta.

A Nova Ordem Mundial só poderá ser erguida sobre as ruínas das nações e é exactamente este facto, que faz com que o "sistema" se empenhe com tanto vigor e energia em combater fanaticamente tudo aquilo que lhe cheire a Nacionalismo ou Identitarismo.

De modo a que o Plano Kalergi possa triunfar, é essencial que todas as réstias de identidade nacional ou étnica sejam eliminadas. O objectivo deste sinistro plano para os senhores da Nova Ordem, é criar uma sociedade atomizada, hedonista e sem qualquer espécie de identidade comum. No fundo, trata-se de criar um "homem novo", adaptado para viver no futuro Governo Mundial Totalitário que está desde há muito planeado.

Aqueles que hoje amaldiçoam os nacionalistas e fazem troça da nossa causa, deviam de pensar duas vezes, pois nós somos a última linha de defesa que resta contra a tirania globalista/sionista. Se acham mesmo que os nacionalistas "são maus" e que têm umas "ideias estranhas", então esperem só pela imposição do Governo Mundial Totalitário e logo vão ver o que é que vai ser mesmo mau e estranho.

Ainda é possível derrotar a Nova Ordem Mundial. Não está ainda tudo perdido, mas já não há tempo a perder, pois a cada dia que passa estamos cada vez mais perto do ponto de não retorno. É necessário que haja união patriótica e esta união deve de ter como ponto comum um único objectivo absolutamente essencial: a derrota das forças políticas e sociais ao serviço da Nova Ordem Mundial e do Globalismo, que tem atrás de si a "mão invisível" do Supremacismo Judaico organizado. Derrotar este némesis, verdadeiramente, é a única coisa que interessa. Se falharmos na nossa missão, nada restará não apenas de Portugal, mas da própria Civilização.

Mais aqui:

https://historiamaximus.blogspot.com/2018/04/a-actual-elite-que-saqueia-portugal-e-o.html

Ricardo Amaral disse...

"A actual elite que saqueia Portugal, é o fruto podre nascido a partir de 43 anos de "democracia" abrilesca ao serviço do Globalismo. Esta gente e que ninguém tenha a menor dúvida sobre isto, está apostada em destruir Portugal, custe o que custar. Neste momento temos um País que tem membros-convidados do Clube Bilderberg, tanto a ocupar o cargo de Primeiro-Ministro, como o cargo de Presidente da República. Por sua vez, o patético governo da "geringonça", é composto por uma miscelânea de tarados onde podemos encontrar marxistas ortodoxos, socialistas, maçons, neo-marxistas (Escola de Frankfurt), maoistas, estalinistas, trotskistas e certamente que também algumas bichas excitadas e a pensar em mudar de sexo, género ou o raio que as parta."-----------------------------Tudo "gente" que promove(em conluio com os da mesma trupe no Ocidente em geral) o exposto no blog-post seguinte linkado

https://omarxismocultural.blogspot.com/2018/06/esquerdistas-expulsam-neo-ateus-do.html