Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

04/07/2015

Dúvidas (108) – E se, de repente, um cliente da Uber fosse assaltado…

(Uma espécie de continuação daqui)

… «e sequestrado … vítima de uma golpada, seduzido por uma desconhecida no Cais do Sodré, … depois, uma terceira pessoa entrou no veículo, e obrigou-o ir a uma caixa multibanco. Aí foi forçado a levantar 200 euros. ... depois de tudo, ainda foi levado para outro local e fechado na bagageira … , enquanto os assaltantes levantavam mais dinheiro. Ao todo, foi roubado em 600 euros. A noite terminou com a vítima abandonada na via rápida

Seria certamente um levantamento nacional, com o futuro presidente da Nóvoa e o futuro primeiro-ministro de Portugal a juntarem as suas vozes ao coro dos indignados, os tambores do jornalismo de causas a rufarem, todos exigindo a prisão do motorista, a expulsão da Uber e o mais que lhes aprouvesse.

Como tudo aconteceu num táxi devidamente licenciado, conduzido por um motorista devidamente dotado dos conhecimentos técnicos e devidamente dotado dos requisitos de urbanidade indispensáveis para lidar com o público, a coisa é normal.

Sem comentários: