Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

31/07/2015

Chávez & Chávez, Sucessores (32) – O alívio quantitativo na versão socialista modalidade bolivariana

A máquina do banco central da Venezuela continua a imprimir bolívares a todo o vapor para financiar um défice pletórico. Ao câmbio oficial o dólar vale 6,3 bolívares com os quais no mercado paralelo se compra um cêntimo de dólar. Em consequência, estima-se que a inflação em 2015 ultrapassará 200% - em alternativa a falsificar os dados, como o governo de Kirchner na Argentina, o governo de Maduro deixou de publicá-los.

Com o equivalente a um dólar seria possível comprar 33 kg de farinha de milho ao preço oficial se porventura algum supermercado a vendesse e após várias horas numa bicha. Com o mesmo valor é porém possível encher 140 vezes o depósito de um carro familiar aos preços subsidiados e vender o combustível na fronteira com a Colômbia por 5 mil vezes mais – um negócio florescente que é mais exemplo de como o socialismo é bom para o mercado negro.

Quando um dia o chávismo colapsar deixará a Venezuela de rastos por várias gerações.

[Fonte: Crackers in Caracas]

Sem comentários: