Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

03/07/2015

CAMINHO PARA A INSOLVÊNCIA: De como o melhor que pode acontecer ao paraíso prometido aos gregos pelo Syriza é ser um purgatório (XXX) – Uma tragédia, por agora uma comédia antes de ser de novo uma tragédia

Outros purgatórios a caminho dos infernos.

O diagrama que reproduzo foi extraído do research «Greece and the Euro - Moving Towards Capital Controls» da Morgan Stanley. Mostra opções geralmente conhecidas, pelo menos de quem ainda retém um módico de racionalidade e não se deixou possuir pelos delírios do syrizismo ou pelas alergias ao syrizismo.


Do diagrama ressalta o trilema que o governo Syriza-Anel grego tem pela frente e recorda-me um outro trilema formulado por Slavoj Žižek: sob um regime de constrangimento ideológico como o comunismo, são incompatíveis as virtudes de honestidade, inteligência e adesão sincera a esse regime.

É uma muleta mental a que recorro, uma vez mais, com o alibi de ser inteiramente aplicável a um regime em que governa uma coligação comunista-chauvinista, quando as meninges já estão a ver-se gregas para acompanhar esta comédia que talvez tenha sido uma tragédia em tempos e que voltará a sê-lo num futuro próximo.

1 comentário:

Unknown disse...

As narrativas que leio não incluem o que me parece o mais provável. Incompetência pura e dura.
Dos eleitores uma infantilidade mental "pode ser que eles façam um milagre" talvez se perceba o voto; que presumo nem lá se vai repetir, quanto mais entre os irmãos da zona euro.