Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/04/2014

Vivemos num estado policial? (6)

Numa louvável acção patriótica «Polícias vão avisar turistas nos aeroportos que políticas do Governo colocam em causa segurança do país», segundo o Público, ele próprio um produtor muito patriótico de notícias de causas.

O aviso parece dever-se à escassez de recursos policiais que é uma coisa que nem carece de demonstração uma vez que, segundo os números da UNODC, somos o terceiro estado mais policiado da Europa apenas ultrapassados por Malta e pela Irlanda do Norte, pudera! (ver os outros posts desta série).

Nas notícias de causas nunca houve uma sobre a iniciativa dos senhores agentes da PSP se terem proposto avisar a seu tempo os turistas que as políticas adoptadas durante duas décadas por vários governos (principalmente socialistas) colocariam em causa a própria soberania do país. O que, aliás se percebe, porque até então ainda nenhum desses governos se tinha lembrado de testar o patriotismo das forças de segurança cortando-lhes o subsídio de fardamento .

É uma iniciativa a todos os títulos demonstrativa do dinamismo dos senhores agentes da PSP que se propõem abandonar o conforto das suas esquadras, de onde até os mais atrevidos bandidos têm dificuldade em fazê-los sair, e mostrar os seus uniformes aos turistas estrangeiros que por cá dificilmente terão outra oportunidade de os ver, a menos que visitem as esquadras onde eles tomam conta das ocorrências.

Outros casos de polícia: (1), (2), (3), (4) e (5).

Sem comentários: