Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

05/04/2014

Pro memoria (170) – Epílogo de uma das muitas trapalhadas socráticas

Com excepção do Público, a quem José Sócrates moveu a acção, a imprensa passou olimpicamente ao lado da absolvição outra vez, desta vez em segunda instância, do jornal e dos jornalistas e directores envolvidos na notícia de 2009 sobre a compra de um andar do Héron Castilho pelo então primeiro-ministro, notícia com «factos absolutamente verdadeiros», considerou o tribunal, sobre uma compra por um preço estranhamente baixo face aos preços de mercado e estranhamente alto face aos rendimentos oficiais de Sócrates.

Sem surpresa, José Sócrates foi representado pelo advogado Proença de Carvalho. Who else?

Sem comentários: