Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/04/2014

OFERTA aos infelizes premiados nos sorteios das facturas (2.ª VIA)

Agora que se sabe terem sido emitidas mais 18% ou 109 milhões de facturas nos dois primeiros meses do ano em relação ao passado, venho lembrar a minha oferta do dia 3 de Abril para ajudar um premiado com um Audi 6 a libertar-se das maçadas e chatices que o governo lhe quer impor.


Aproveito para pedir três esclarecimentos a quem possa fazer-me luz:
  1. Correspondendo estes 109 milhões de facturas a uma redução da evasão fiscal, o sorteio que putativamente lhes deu origem é positivo ou negativo para manter a flutuar o nosso querido Estado Social?
  2. Sendo voluntária a indicação do NIF, podem os casos em que contribuintes o informam ser considerados uma intrusão na vida privada das pessoas, tipo escutas da NSA?
  3. E as informações obtidas a partir de compras de mercearias, cafés et cetera podem ser consideradas mais privadas do que o estendal que muitos contribuintes fazem das suas vidinhas nas redes sociais?

1 comentário:

bloody mary disse...

Subscrevo a ajuda aos infelizes premiados. Eles que não se atormentem - também eu os posso aliviar das maçadorias impostas pelo governo. Tranquilos! E, a avaliar pelo tom blasé dos indivíduos interpelados pelos repórteres das Têvês, todos eles dizendo que não querem a porcaria do automóvel para nada, aliás não querem nada dos bacocos (só falta fazerem um grande pfffff!!) do governo, creio que vai haver muito carrão por aí "dando sopa" e, como fã da marca germânica, eu cá estarei pronta ajudar, fazendo, nisso, concorrência ao Impertinente!