Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

10/01/2014

SERVIÇO PÚBLICO: O princípio do princípio (29)

Outros princípios do princípio

Notícias positivas do Portugal Que Trabalha (PQT):


O índice de volume de negócios na indústria cresceu 3,5% em Novembro e as exportações aumentaram 7,2% e as importações aumentaram 3,2% relativamente ao ano anterior, pelo que o saldo o défice da balança comercial continua a reduzir-se.

A taxa de desemprego, a descer desde Março, atingiu em Novembro 15,5%, o valor mais baixo dos últimos 18 meses. O número de desempregados caiu 91 mil em relação ao mesmo mês de 2012 e o desemprego dos menores de 25 anos desceu 1,9%. Entretanto, a central sindical do PCP continua a atribuir a queda do desemprego à sazonalidade - este gráfico de André Azevedo Alves mostra bem como a queda é tão sazonal quanto o camarada Arménio é um adepto da democracia representativa.

Não admira pois que os mercados, isto é os credores que nos emprestam o dinheiro, voltem a olhar para o risco da dívida soberana portuguesa com melhores olhos. Os yields depois de terem descido até quase ao nível da dívida espanhola antes da demissão irrevogável de Portas estão a aproximar-se de novo.

Dívida pública portuguesa e espanhola
Fonte: Bloomberg
Também não admira que ontem fossem colocados 3,25 mil milhões de OT a 5 anos a uma taxa de juro média ao redor dos 4,6%, com uma procura quase 4 vezes superior por parte de centenas de investidores incluindo investidores de longo prazo como seguradoras e fundos de pensões. Com esta emissão as necessidades de financiamento em 2014 do monstro ficarão praticamente cobertas.

Entretanto os dados do comércio a retalho em Novembro mostram que Portugal foi o país em que o consumo mais cresceu – 3,1% contra 1,4% da Euro Zona. Isso pode ser sinal de que os animal spirits do consumo se estão a excitar outra vez, mas só significa crescimento para quem acredita que a economia cresce sem investimento.

Notícias deprimentes do Portugal Que Se Queixa (PQSQ):


Desta vez parece haver menos notícias deprimentes e até há uma positiva: o governo, em vez de torrar os 1,1 mil milhões da venda da ANA em mais despesa, vai utilizá-los para amortizar dívida pública (quase mil milhões) e o restante para a Parpública amortizar dívida das EP.

Sem comentários: