Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

24/01/2014

De boas intenções está o inferno cheio (19) – Os portugueses são muito imaginativos

Segundo o «Guia do Mercado Laboral 2014» da Hays, citado pelo Económico, baseado em entrevistas e inquéritos a 4.000 profissionais qualificados de 800 empresas, 80% desses profissionais estariam disponíveis para trabalhar no estrangeiro, percentagem que em 2009 era de 70%.

Sabe-se lá porquê, lembrei-me daqueles estudos baseados em inquéritos que periodicamente demonstram estarem os portugueses no topo dos povos que mais praticam sexo. Talvez seja uma partida das minhas sinapses, já gastas de tanto faiscar, mas tenho uma ténue recordação de ter lido num desses estudos que uma percentagem considerável de tugas afirmava ser junto à lareira o seu local preferido para praticar sexo – logo a lareira, um dispositivo presente apenas numa pequena percentagem de fogos, passe o trocadilho. Se isto for apenas fruto de curto-circuito nas minhas sinapses, garanto apagar o post sobre as alegadas mentiras do Sr. Eng. Sócrates a propósito do falecido Eusébio da Silva Ferreira.

Sem comentários: