Our Self: Um blogue desalinhado, desconforme, herético e heterodoxo. Em suma, fora do baralho e (im)pertinente.
Lema: A verdade é como o azeite, precisa de um pouco de vinagre.
Pensamento em curso: «Em Portugal, a liberdade é muito difícil, sobretudo porque não temos liberais. Temos libertinos, demagogos ou ultramontanos de todas as cores, mas pessoas que compreendam a dimensão profunda da liberdade já reparei que há muito poucas.» (António Alçada Baptista, em carta a Marcelo Caetano)

07/01/2014

Pro memoria (157) - Um mentiroso compulsivo

[Uma espécie de sequela daqui]

A estória de ouvir o relato do Portugal-Coreia (numa tarde de sábado) a caminho da escola é possivelmente uma das mentiras mais idiotas e de menores consequências que José Sócrates contou desde os anos em que arruinou o país e nos insultou a inteligência. Desde logo, quando a comparamos com a estória do exame feito ao domingo.

Por isso, essa pequena e inútil mentira não teria nada de notável se não fosse a coexistência do body language com aquele tom postiço e adocicado pós-Sciences Po, cuja análise mereceria uma atenção profissional para nos explicar como uma criatura assim conseguiu hipnotizar uma fracção significativa do eleitorado. (Lido aqui e visto ali)




Actualização Um:

Esta mentirola pateta fez-me recordar um outro insulto à inteligência dos ouvintes há uns anos, sobre a alegada pertença à «geração Kennedy», qualidade que o Senhor Engenheiro invocou ter adquirido aos 3 anos.

Actualização Dois:

Entretanto, Luís Patrão, uma espécie de impedido de José Sócrates, tentou limpar a folha deste. Como aqui se demonstra detalhadamente veio juntar à mentira outra mentira ainda mais grave, porque se a primeira é talvez uma mentira espontânea de um mentiroso compulsivo a segunda é uma mentira elaborada de um mentiroso incompetente.

Sem comentários: